sábado, 20 de janeiro de 2018

Entrevista ao Embaixador do Luxemburgo, Senhor Jean-Jacques Welfring, pelos alunos da turma do 7ºB da Escola EB Escultor António Fernandes de Sá


No contexto do projeto “Portugal na Europa e no Mundo”, os alunos do 7ºB, por intermédio – e amabilidade – da assessora pessoal do Sr. Jean-Jacques Welfring, Srª Drª Kristine Cooreman, conceberam e selecionaram dez perguntas para sabermos um pouco da perspetiva do nosso ilustre entrevistado sobre as pontes de ligação Portugal – Luxemburgo. Expressamos aqui o nosso agradecimento e esperamos que a entrevista seja esclarecedora e interessante para todos!
    7ºB – Obrigada por ter acedido ao nosso pedido. 
   A Vida no Luxemburgo…como a pode definir?Quais os pontos fortes e os pontos  fracos?                                                                                                                                                                                                                                                                                       
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

Sr. Embaixador - O Luxemburgo está situado entre a França, a Bélgica e a Alemanha. É um país muito aberto aos outros e mais ou menos 50% da sua população não é Luxemburguesa. A comunidade estrangeira mais importante é a Portuguesa, representando quase 20% da população total.
O Luxemburgo é um país muito verde, com muitas florestas e onde é muito agradável viver. O nível de vida dos seus habitantes é um dos mais elevados da Europa. 
Inicialmente, o Luxemburgo era um país muito pobre que vivia da agricultura, o que obrigou muitos Luxemburgueses a emigrarem no século XIX, principalmente para a América.
A descoberta de minerais de ferro no sul do país deu origem uma indústria siderúrgica muito importante e que esteve na base do desenvolvimento económico do país. Atualmente, a siderurgia já não é tão importante e a economia do país é sobretudo dominada pelo setor dos serviços, como por exemplo, o setor bancário e dos seguros.
O Luxemburgo também tem um papel importante no setor dos satélites. A empresa que explora o maior número de satélites de comunicações (televisão e internet por exemplo) do mundo chama-se SES (Société Européenne de Satélites) e tem a sua sede no Luxemburgo.
De entre os pontos fortes do Luxemburgo, é importante sublinhar o aspeto das línguas. Os Luxemburgueses falam entre eles luxemburguês e têm estações de rádio e de televisão nesta língua.
Na escola, aprendemos também ao mesmo tempo a falar francês e alemão. No ensino secundário é também obrigatório aprender Inglês. A aprendizagem de todas estas línguas é uma grande vantagem para os Luxemburgueses no estrangeiro, mas é também uma mais-valia importante para encorajar as empresas estrangeiras a instalarem-se no Luxemburgo.
Um outro ponto forte do Luxemburgo é o número significativo de estrangeiros que vivem no país. Eles constituem uma riqueza para o país e incentivam-nos a ter uma maior abertura para o mundo.
Um ponto fraco do Luxemburgo é, às vezes, o seu tamanho. Mas “small is also beautiful”.

7ºB - Por que motivo é o Luxemburgo um Grão-Ducado?
Sr. Embaixador - A razão pela qual o Luxemburgo é um Grão-Ducado tem uma explicação histórica.  Há muito, muito tempo, o Luxemburgo era um Ducado, governado por um duque. Ao longo da sua história, o Luxemburgo “forneceu” também vários imperadores alemães que eram duques do Luxemburgo.
Quando as grandes potências reorganizaram a Europa em 1815, durante o Congresso de Viena, e depois de terem derrotado Napoleão, o Ducado de Luxemburgo passou a chamar-se Grão-Ducado. O rei dos Paises Baixos, Guilherme III, recebeu o Luxemburgo a título pessoal e era, ao mesmo tempo, rei dos Países Baixos e Grão-Duque do Luxemburgo.
Quando Guilhereme III morreu, a inexistência de herdeiros masculinos levou à aplicação do “Pacto da Família de Nassau”, uma familia de origem alemã. Esse pacto regulamentava os assuntos internos da familia do rei e estipulava que, caso não houvesse um herdeiro masculino, o Grão-Ducado de Luxemburgo passaria a pertencer a outro ramo da familia de Nassau. Assim, desde 1889, o país possui a sua própria dinastia. O nosso actual Grão- Duque, que é o Chefe de Estado, chama-se Henri (Henrique). O seu título transmite-se ao mais velho dos seus filhos (seja homem ou mulher), que se torna Grão-Duque ou Grã- Duquesa.
A título de curiosidade, gostaria de mencionar que o Grão-Duque Henri tem raízes portuguesas, já que é descendente do Rei D. Miguel I de Portugal. A sua bisavó, Maria Ana de Bragança, casou em 1893 com o Grão-Duque herdeiro Guilherme de Nassau Weillberg, mais tarde Grão-Duque Guilherme IV do Luxemburgo.    
Em 1919, realizou-se um referendo no país para inquirir se os cidadãos queriam manter a monarquia ou se, como em muitos outros países, preferiam que o país passasse a ser uma républica. A maioria dos Luxemburgueses decidiu a favor da continuação da monarquia. Somos assim, uma das monarquias que ainda subsistem na Europa e no mundo.
Os poderes do Grão-Duque estão descritos na Constituição e atualmente o seu papel é essencialmente representativo. Isto significa que o poder político é sobertudo exercido pelo Parlamento e pelo Governo.

7ºB - E quais os pontos fortes e os pontos fracos de Portugal?
Sr. Embaixador - Portugal é um país antigo, com uma história rica e uma grande abertura ao mundo, que trouxe muitas coisas à humanidade, como por exemplo, as descobertas nos séculos XIV e XV. Portugal é também um dos países europeus com as fronterias mais antigas.
Hoje em dia, Portugal está muito empenhado na construção Europeia porque compreende, talvez melhor que muitos outros, que certas questões, tais como a das alterações climáticas, são importantes e só poderão ser resolvidas em conjunto, a nível Europeu e mundial.
Portugal também se empenha muito na defesa do Direito Internacional e dos Direitos Humanos, bem como na defesa da paz no mundo. António Guterres, Secretário Geral da Organização das Nações Unidas é o melhor exemplo desse empenho.   
Portugal também é um país rico culturalmente, seja na literatura, na música ou ainda no conjunto de edifícios históricos que se podem observar pelo país fora.
A situação económica difícil pela qual o país passou durante a crise financeira exigiu muitos esforços a todos os Portugueses, que os puseram em prática de forma corajosa. É necessário continuar a desenvolver esforços para que a saúde económica e financeira do país continue a melhorar, no interesse do futuro de Portugal e dos seus cidadãos.     

7ºB - Já em criança sonhava ser Embaixador ou foi algo que aconteceu pelos caminhos que a vida foi tomando?
Sr. Embaixador - Quando era criança não pensava de todo na carreira diplomática. Foi durante os meus estudos secundários e universitários que cheguei à conclusão que desejava trabalhar ao serviço do Estado e dos cidadãos.
Depois de passar por uma breve experiência no setor privado, tornei-me diplomata, não só porque queria poder servir o meu país, mas porque me interessava bastante o contacto com outras culturas. Quis o destino que, quando ainda estava a trabalhar no sector privado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo abriu um concurso. Tive a sorte de ser selecionado e nunca me arrependi dessa escolha.
7ºB - Gosta de ser Embaixador em Portugal?
Sr. Embaixador - Gosto muito de ser Embaixador do Luxemburgo em Portugal. Em primeiro lugar, porque é um país muito importante para nós, uma vez que há uma comunidade muito grande de Portugueses a viver no Luxemburgo. Depois, Portugal e o Luxemburgo têm muitas coisas em comum no plano político e diplomático, nomeadamente ao nível da importância que a Europa tem para os dois países.
Por último, os Portugueses são pessoas muito acolhedoras e Portugal é um país muito bonito, com um clima muito agradável, com muitas coisas interessantes para ver e visitar, sem esquecer a boa cozinha Portuguesa e os seus excelentes vinhos.

7ºB - Se uma pessoa quisesse ir trabalhar para o Luxemburgo, o que aconselharia a fazer, que passos deveria dar?
Sr. Embaixador - Ir trabalhar para o Luxemburgo é uma decisão que exige muita reflexão e uma boa preparação. Para se ter sucesso na vida profissional no Luxemburgo, como, aliás, em qualquer outro país, é necessário ter o maior número de fatores positivos do nosso lado. Uma boa formação é essencial e um diploma facilitará na procura de bom emprego, também no Luxemburgo.
Um outro elemento importante para trabalhar no Luxemburgo é ter-se um mínimo de conhecimento de línguas estrangeiras. Ter bons conhecimentos de francês, inglês ou alemão é essencial para poder comunicar. As empresas pedem muitas vezes que o candidato fale mais do que uma língua estrangeira. O conhecimento da língua portuguesa é também uma mais-valia.  
Alguém que deseje viver no Luxemburgo durante muito tempo deverá também ponderar aprender o luxemburguês, porque é uma forma de integração na sociedade. Há muitos cursos disponíveis para esse efeito.
Por outro lado, candidatar-se a um emprego não significa que o mesmo é atribuído automaticamente, mesmo se a economia continua a criar novos empregos. Convém também não subestimar o custo de vida. Apesar de os salários no Luxemburgo serem mais elevados do que em Portugal, é preciso não esquecer que o custo de vida é também mais elevado, sobretudo no que diz respeito ao alojamento.
No aspeto prático, é necessário inscrever-se na Comuna da área onde se vai residir, assim que se chega ao Luxemburgo, não sendo possível exercer qualquer atividade profissional sem estar inscrito primeiro.        

7ºB - Como é o sistema de ensino no Luxemburgo?
Sr. Embaixador - O sistema escolar no Luxemburgo caracteriza-se por ser um sistema de ensino público, não existindo o ensino privado. À exceção de algumas escolas internacionais, criadas para responder à presença de muitas familias estrangeiras no Luxemburgo, não existe um ensino privado propriamente dito.
Esta particularidade, que existe há muito tempo, é um elemento muito positvo na integração, também para os próprios Luxemburgueses, porque todos os alunos fazem a sua formação base na escola pública, sendo o ensino igual para todos.   
      As ofertas escolares no Luxemburgo dividem-se do seguinte modo:  
* Ensino Fundamental  - Ciclo 1 – (dos 3 aos 5 anos) - equivalente à pré-primária
Ø  1 ano de educação precoce cuja frequentação é facultativa e 2 anos de educação pré-escolar obrigatória; 

* Ensino Fundamental – Ciclos 2, 3 e 4 (dos 6 aos 12 anos) equivalente à escola
   primária
Ø  A alfatebização faz-se em alemão, em luxemburguês e em francês. As crianças mais novas recém-chegadas ao país são integradas em turmas regulares onde aprendem estas 3 línguas. Os alunos podem também ter aulas de apoio de cada uma destas línguas;   

* Ensino Secundário – (os 12 aos 17 anos)
Ø  Depois do Ensino Fundamental, os alunos são orientados para o ensino secundário clássico ou secundário geral.

* Ensino Universitário 
Ø  Após a conclusão do ensino secundário clássico (que tem a duração de 7 anos), os alunos podem candidatar-se à Universidade. 
     

 7ºB - Já evitou algum incidente diplomático?
Sr. Embaixador - Uma parte do trabalho de um diplomata consiste precisamente em evitar que as diferenças existentes entre os países não se agravem e não deem origem a incidentes diplomáticos. Entre países amigos, como é o caso de Portugal e do Luxemburgo, é possível discutir os vários assuntos, mesmo aqueles sobre os quais existem grandes diferenças entre os dois. Mas, felizmente, são muito poucos os assuntos sobre os quais as opiniões divergem muito.
Uma parte importante do trabalho de um Embaixador é de assegurar a continuação das boas relações entre as duas partes. Para isso (e neste caso concreto), deverá explicar às autoridades Portuguesas as razões pelas quais o Luxemburgo assume determinadas posições relativamente a um dossiê. Do mesmo modo, o Embaixador do Luxemburgo esforça-se para compreender o melhor possível as razões que levam o Governo a adoptar certas posições. Conhecer bem e compreender os parceiros é uma base essencial para evitar os malentendidos e ajudar a encontrar soluções para os desafios que se apresentam e as diferenças que existem. Uma parte do meu trabalho consiste, portanto, em apresentar soluções para evitar eventuais incidentes diplomáticos.

7ºB - Já ajudou a evitar um ataque terrorista?
Sr. Embaixador - Relativamente a atentados terroristas, é preciso sublinhar que, felizmente, quer Portugal quer o Luxemburgo não foram alvo de nenhum atentado terrorista. Não é diretamente o papel do Embaixador agir no sentido de evitar que haja ataques terroristas.
Essa tarefa muito importante cabe sobretudo às entidades públicas que trabalham diariamente nesse domínio, tais como a polícia, os magistrados ou ainda os serviços de informação.            

7ºB - Que opinião tem sobre a comunidade portuguesa que trabalha no Luxemburgo?
Sr. Embaixador - A comunidade portuguesa no Luxemburgo é uma parte muito importante da nossa população. Ela participa de forma muito ativa na vida económica do Luxemburgo e está bem integrada. Como disso o Grão-Duque Henri por ocasião da visita de Estado do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, que teve lugar em Maio do ano passado ”sem a contribuição determinante da comunidade portuguesa, o Luxemburgo não seria o país que é hoje. É uma contribuição importante para o enriquecimento do nosso país e estamos-lhes muito gratos por isso”.   
Muitas famílias adotam a nacionalidade Luxemburguesa, conservando a nacionalidade Portuguesa. As crianças frequentam a escola Luxemburguesa e aprendem quase automaticamente o luxemburguês, o que constitui um factor de integração adicional muito forte.
Alguns Luxemburgueses de origem Portuguesa têm feito percursos profissionais notáveis, tais como o Senhor Félix Brás, que é atualmente Ministro da Justiça do Luxemburgo. Os pais do Senhor Brás nasceram em Portugal e vivem há muitos anos no Luxemburgo.      
O objetivo a médio prazo é, naturalmente, que os atuais residentes Portugueses se tornem cidadãos Luxemburgueses como os outros, guardando, contudo, os laços com Portugal, que é também uma parte essencial da sua identidade e em nada contraditório.  Ser um bom Luxemburguês e ao mesmo tempo ter orgulho da sua herança portuguesa é perfeitamente compatível no respeito pelos outros e construindo juntos o futuro!     


domingo, 17 de dezembro de 2017

Balanço 1º Período

     Boas Festas para todos e...ficam aqui umas memórias de algumas das muitas atividades promovidas/ realizadas na Biblioteca Escolar:

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Hora do Conto - A Bolinha Dourada

   No dia 15, para celebrar a quadra natalícia que atravessamos, todas as turmas do 5ºano tiveram oportunidade de assistir à leitura expressiva do conto "A Bolinha Dourada" da autoria da professora bibliotecária Sílvia Pinto.
   Muito obrigada às professoras que acompanharam os alunos e a estes especialmente, pois promoveram uma troca de opiniões muito interessante sobre os diversos valores cívicos e éticos que o conto aborda (a violência, o abandono infantil, a criatividade, entre outros,...).
   Ficou ainda o desafio para todos os alunos participarem num concursos de dar continuidade à narrativa (que se trata de uma narrativa aberta), havendo prémios para os três melhores textos! Bom trabalho!!!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

ATIVIDADES DO DIA DAS BRUXAS NA BIBLIOTECA ESCOLAR


A Biblioteca Escolar decorou-se a preceito para mais uma celebração do Halloween, tendo promovido atividades de ilustração e pintura de desenhos alusivos ao Dia das Bruxas, após uma pesquisa, em diversos suportes, dos elementos habitualmente associados a este dia assustador!
As turmas do 5ºD (acompanhadas pela docente Otília Lima) e do 6ºA visionaram o filme “O Estranho Mundo de Jack”, sendo convidados a escrever um final alternativo. Foram partilhadas com os alunos curiosidades sobre o filme em apreço, nomeadamente o facto de serem atores distintos a fazer a voz cantada e a voz falada de Jack e que foram precisos cerca de cem operadores de câmara para a realização do filme!

À turma do 7ºB, foi contada uma história de “suspense”, da autoria da professora Sílvia Pinto, com o título “A Condenada”, com o objetivo de posterior paráfrase por escrito.
Um agradecimento muito especial à assistente operacional, Dª Fátima Carvalho, pelo brio e brilhantismo na transformação do espaço num local encantadoramente assustador!

E assim foi dado o pontapé de saída para o início da noite mais aterradora do ano, onde andam à solta bruxas, vampiros, lobisomens e diabretes!
A Professora Bibliotecária,

Sílvia Pinto

sábado, 28 de outubro de 2017

Biblioteca de Honra - Entrega de Diplomas 3ºCiclo e visionamento da animação "A Árvore Generosa"

      No dia 24 de outubro, celebrou-se mais um "Dia do Agrupamento", sendo a biblioteca escolar palco da cerimónia de entrega de prémios aos alunos de 3º Ciclo que integraram, no ano letivo transato, o Quadro de Honra e que foram também merecedores de pertencer ao "Quadro de Mérito Cívico".

      Os Encarregados de Educação marcaram presença em força, bem como os representantes da Associação de Pais, que ofereceram aos alunos participantes nas Noites da Poesia um "miminho" muito carinhoso (a foto com a receção do Diploma de Participação nas Noites em apreço que ocorreram no final do ano letivo 2015/2016).


      Os elementos da Direção (que, naturalmente, não podiam deixar de marcar presença) chamaram, um a um, os alunos cujo desempenho global no ano passado foi digno de nota e presentearam-nos com livros, postais ilustrativos de um mosaico da escola e, claro, com os respetivos Diplomas.
      O ex-Diretor, Engª António Grangeia e a professora Liliana Matias (que, durante muitos anos, coordenou brilhantemente as bibliotecas do agrupamento) também foram homenageados, dada a sua recente aposentação.



     A assistente operacional Dª Paula Monteiro (pelos 25 anos "de casa")...
...e a professora Eduarda também foram homenageadas:


O docente José Correia (por motivos de aposentação) e a assistente operacional Zélia Rodrigues (pelos seus 25 anos de dedicação ao Agrupamento) também não foram esquecidos, mas, por motivos alheios à sua vontade, não puderam estar presentes, o que não impedirá, num futuro breve, a entrega das lembranças inerentes.




      E porque os Pais e Encarregados de Educação também são parte fundamental num percurso académico e vivencial de sucesso, foi exibida a curta-metragem animada "A Árvore Generosa", como símbolo da capacidade extraordinária de - algumas - famílias em apoiar e motivar incondicionalmente os seus educandos na sua vida escolar. A explanação da analogia entre a narrativa animada e a importância do apoio de retaguarda que a família tem de dar aos alunos ficou a cargo da professora bibliotecária...e à liberdade interpretativa de cada um.

Momentos inesquecíveis para os nossos alunos:


Depois, tudo terminou em festa, na sala dos alunos, tornando memorável uma noite digna de mérito e só com boas recordações!



segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Dia da Biblioteca Escolar - Torneio de Xadrez

  
     Para acentuar a versatilidade do espaço "Biblioteca Escolar", reiterando que se trata de um espaço de desenvolvimento de múltiplas competências, foi organizado um Torneio de Xadrez, pelo quarto ano consecutivo, tendo-se consagrado tetracampeão o aluno Pedro Jorge, nº21, do 8ªA.
     Parabéns a todos os participantes!

Dia da Biblioteca Escolar - Atividade "A Biblioteca dos Meus Sonhos"

A preciosa ajuda da professora voluntária Helena Figueiredo
       
          Para celebrar o Dia da Biblioteca, foi promovida a atividade "A Biblioteca dos meus Sonhos", uma iniciativa que envolveu escrita criativa e artes visuais.
         Solicitou-se aos participantes que escrevessem um breve parágrafo sobre a biblioteca e desenhassem ou representassem de alguma forma o que seria a "Biblioteca dos seus Sonhos". Para o efeito, tiveram a ajuda da professora voluntária Helena Figueiredo, escultora e artista plástica de conhecido renome, que deu algumas "dicas" para se concretizarem da melhor maneira as ideias dos grupos participantes.
         O balanço é muito positivo e ficamos felizes por saber que, para a maioria dos alunos, a biblioteca de que usufruem, na nossa escola, é a sua biblioteca de sonho!



quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Procurar, Contar e...Ganhar!

      A Biblioteca Escolar - em articulação com a disciplina de Matemática - concebeu e concretizou uma atividade que permitiu as alunos do 7ºano (visto que o 2º ciclo já usufruíra de sessões de formação de utilizadores, com exploração do acervo) conhecer mais em pormenor os livros existentes na Biblioteca, iniciativa essa intitulada "Procurar, Contar e... Ganhar".


      A atividade, que teve lugar no passado dia 11 de outubro)  consistiu em solicitar aos alunos  organização em grupos para a contagem dos livros da Biblioteca de acordo com um critério temático, fazendo a sua recolha, mostrando à professora bibliotecária para confirmar a integração dos livros selecionados no tema previamente escolhido e fazendo a sua contagem para depois adicionar em grupos mais abrangentes (por exemplo, os livros acerca dos temas "Aves", "Plantas" e "Répteis" foram contabilizados na temática mais abrangente "Natureza").
     Os alunos foram pedindo para "pôr de lado" algumas obras que lhes suscitaram o interesse, tendo posteriormente feito a respetiva requisição. 
      Os grupos que selecionaram corretamente as obras, sem ambiguidades no tema, foram premiados com a oferta de material escolar. As adições tinham de ser feitas por cálculo mental, havendo também prémios para os grupos que não se enganaram na contagem.


     Os objetivos da atividade eram:
Objetivos:
    - melhorar as capacidades de concentração;
    - incrementar o trabalho colaborativo e a efetiva articulação entre a BE a as áreas disciplinares;
    - reconhecer a Biblioteca como um espaço de convergência entre áreas disciplinares distintas;
    - desenvolver capacidades de cálculo mental;
    - favorecer o conhecimento dos alunos relativamente aos livros disponíveis na Biblioteca Escolar;


       Assim, de um modo lúdico e desafiante, os alunos contactaram de perto com milhares de livros e "descobriram" tesouros que pareciam escondidos...à vista de todos! Parabéns aos participantes e um agradecimento especial à professora de matemática, Drª Fátima Soares, pela adesão imediata à proposta da biblioteca Escolar.